Header Ads

ad

Gilmar Mendes diz acreditar em 'pacificação' após julgamento sobre Lula na quarta-feira

Segundo o ministro, tensões no país diminuirão seja qual for o resultado. STF vai analisar pedido da defesa do ex-presidente para que ele não seja preso mesmo após condenação na segunda instância.
Por G1, Brasília

‘Temos que esclarecer essa confusão’, diz Gilmar Mendes sobre prisão após 2ª instância

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes disse nesta terça-feira (3), depois de participar de um seminário em Lisboa, que acredita numa "pacificação" do país após o julgamento do habeas corpus preventivo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, marcado para esta quarta-feira (4).

A defesa do ex-presidente quer garantir que ele não seja preso, mesmo após ter sido condenado na segunda instância a 12 anos e 1 mês de cadeia. Em 2016, o STF decidiu permitir a prisão após a segunda instância, ou seja, antes que se esgotem todos os recursos possíveis na Justiça. Grupos a favor e contrários à revisão desse entendimento vêm se mobilizando nos últimos dias.

"Acredito numa pacificação, não num aumento de conflitos. Talvez um aumento aqui e acolá, palavras mais duras, palavras de ordem, mas não me parece que haverá uma sublevação [...] Qualquer que seja o resultado, pró-execução em segundo grau ou não, me parece que haverá uma pacificação", afirmou o ministro Gilmar Mendes, quando questionado por jornalistas sobre a tensão em torno do julgamento.

Nesta segunda (2), a presidente do STF, ministra Cármen Lúcia, chegou a fazer um pronunciamento classificado por sua equipe de “chamamento à serenidade”. Ela afirmou que “há que se respeitar opiniões diferentes” e pediu "serenidade" para que diferenças ideológicas não resultem em "desordem social".

De acordo com Gilmar Mendes, o país vive um momento de tensão, alimentado por um "coquetel" feito de crise política misturada com a proximidade das eleições.

"Nós temos aqui um coquetel neste momento: toda a crise política, muito adensada, misturada com as eleições. É um quadro grave que contribui para esta divisão", disse o ministro. "Um candidato a presidente, já condenado em segundo grau, mas que lidera as pesquisas. Isso é um componente mais grave para esse coquetel. Tudo isso contribui para essa tensão", completou.

Gilmar Mendes disse ainda que o tribunal precisa "esclarece essa confusão", em referência à permissão ou proibição da prisão após segunda instância.

"Para mim é uma grande confusão que nós temos de esclarecer. Se o juiz após a segunda instância pode prender, ele tem de fundamentar, explicar por que ele está aplicando a prisão. Se de fato há uma automaticidade, nós temos de esclarecer. Porque há uma grande confusão", afirmou Mendes.

Nenhum comentário