Header Ads

ad

GUERRA: 'Missão cumprida!', anuncia Trump após lançar 105 mísseis contra a Síria

GUERRA - 'Missão cumprida!', anuncia Trump após lançar 105 mísseis contra a Síria.
Trump agradece cooperação da França e Reino Unido em ataque contra Síria: 'missão cumprida'
ATAQUE À SÍRIA
ONU rejeita pedido russo para condenar os ataques na Síria.
EUA, França e Inglaterra lançaram 105 mísseis contra o governo de Bashar al-Assad. A coalizão alega que os alvos são fábrica e armazém de armas químicas.
Os três países bombardearam a Síria nesta sexta-feira como represália a um suposto ataque químico no país. Exército sírio diz que há três civis feridos.
Alvos foram fábrica e armazém de armas químicas, segundo Pentágono
Suspeita de ataque químico detonou a ofensiva; ENTENDA o que cada lado alega...
Sofrimento inútil e desproporcional; por que as armas químicas são condenadas
Ataque à Síria.
Conselho de Segurança da ONU rejeita pedido russo de condenação a ataques na Síria. 
Apenas a Rússia, a China e a Bolívia votaram a favor do projeto de resolução. 
Mísseis saíram de caças, submarinos e navios; veja como foi a ofensiva.

Imagens de satélite mostram os 3 alvos antes de depois do bombardeio.
'Meu pai me ligou de madrugada dizendo que o prédio estava tremendo', relata refugiado em SP.
Engenheiro fugiu da guerra na Síria há 5 anos.
Putin diz que ação foi 'agressão a estado soberano'
Embaixada da Rússia diz que 'haverá consequências' para ataque
MUNDO
Putin diz que ação foi 'agressão a estado soberano'.
Ofensiva em Damasco.
Aliados dos EUA defendem ação; China e Irã criticam uso da força; veja repercussão.
ONU cobra moderação e respeito ao direito internacional.
MUNDO
Mísseis na madrugada
Não registro de brasileiros entre as vítimas, segundo Itamaraty
No Peru, Temer lamentou o conflito e pediu diálogo.
Por que a Síria está em guerra? 8 questões para entender o conflito
O confronto completa 7 anos, com mais de 400 mil mortos e desaparecidos e 11,7 milhões de refugiados.
Por G1
O presidente norte-americano, Donald Trump, agradeceu neste sábado (14) em postagem no Twitter a "sabedoria" e o poder militar da França e Reino Unido no ataque conjunto contra a Síria, realizado na noite anterior. A ofensiva norte-americana foi orquestrada após controvérsias envolvendo o uso de armas químicas pelo regime de Bashar al-Assad.

Por isso, de acordo com os EUA e aliados, a ação teve por dentre seus alvos centros de pesquisa relacionados à produção desses armamentos. Dana White, porta-voz do Departamento de Defesa dos Estados Unidos, sugeriu neste sábado (14) que a ação é pontual e que não há intenção dos EUA de entrar no conflito sírio.

Após o ataque, o Exército sírio informou que a ação deixou três civis feridos após alguns mísseis que estavam indo para uma posição militar em Homs serem desviados de sua trajetória. O Pentágono, por sua vez, diz que não há vítimas.

"Um ataque perfeitamente executado na noite passada. Obrigado à França e ao Reino Unido por sua sabedoria e pelo poder de seus excelentes exércitos. Não poderia haver resultado melhor. Missão cumprida!", comemorou o presidente dos Estados Unidos no Twitter.


Donald J. Trump
@realDonaldTrump
 A perfectly executed strike last night. Thank you to France and the United Kingdom for their wisdom and the power of their fine Military. Could not have had a better result. Mission Accomplished!

9:21 AM - Apr 14, 2018
121K
60.4K people are talking about this
Twitter Ads info and privacy

Trump continuou: "Estou muito orgulhoso do nosso exército que será, depois de investidos bilhões de dólares aprovados, o melhor que o nosso país já teve. Não haverá nada, ou ninguém, sequer próximo!"

Donald J. Trump
@realDonaldTrump
 So proud of our great Military which will soon be, after the spending of billions of fully approved dollars, the finest that our Country has ever had. There won’t be anything, or anyone, even close!

9:29 AM - Apr 14, 2018
83.8K
36.6K people are talking about this
Twitter Ads info and privacy
Enquanto Trump comemora, a Rússia chamou uma reunião no Conselho de Segurança da ONU, que será realizada na tarde deste sábado (14). Também o presidente russo Vladimir Putin disse em pronunciamento que o ataque foi uma "agressão a um Estado soberano".

Para Putin, os Estados Unidos pioram a crise humanitária na Síria. A Rússia é uma das principais aliadas do regime de Bashar al-Assad.

"Com as suas ações, os EUA pioram ainda mais a catástrofe humanitária na Síria. Eles levam sofrimento para a população civil e toleram os terroristas que torturam há sete anos o povo sírio", disse Putin, em comunicado divulgado pelo Kremlin.
Confira a repercussão internacional sobre o ataque a Síria
O dobro de mísseis
A investida contra a Síria foi anunciada pelo próprio Donald Trump em pronunciamento na Casa Branca, na noite de sexta-feira (13), como resposta ao suposto ataque químico contra a cidade síria de Duma no último fim de semana. O regime sírio nega o uso de armas químicas.

As forças aéreas e marinhas dos EUA, França e Reino Unido lançaram os primeiros ataques por volta das 21h de Washington (22h, no horário de Brasília, já madrugada na Síria).

Três alvos foram atingidos, segundo o Pentágono: um centro de pesquisa e produção de armas químicas e biológicas em Damasco, um armazém de armas químicas em Homs (a leste de Damasco) e uma base na mesma cidade que também teria armas químicas.

Imagem resposta antiaérea da síria contra ataque conjunto de EUA, Reino Unido e França (Foto: Hassan Ammar / AP Photo) Imagem resposta antiaérea da síria contra ataque conjunto de EUA, Reino Unido e França (Foto: Hassan Ammar / AP Photo)
Imagem resposta antiaérea da síria contra ataque conjunto de EUA, Reino Unido e França (Foto: Hassan Ammar / AP Photo)
Segundo o Departamento de Defesa dos EUA, não há registro de vítimas civis. Já o Exército sírio, informa haver três feridos.

Após o ataque dos EUA e aliados, os sistemas de Defesa sírios reagiram, atingindo 13 mísseis em Al Kiswah, nos subúrbios de Damasco.

No total, 105 mísseis foram lançados contra os três alvos na Síria, ainda segundo o Pentágono. É quase o dobro da quantidade de armamento usada no ano passado, quando os norte-americanos reagiram a outro ataque químico atribuído ao regime de Assad que deixou 86 mortos.

Naquela ocasião, 59 mísseis Tomahawk foram disparados contra uma base aérea do país. Desta vez, de acordo com o ministro da Defesa do Reino Unido, foram usados mísseis do tipo Shadow.

O Departamente de Defesa dos EUA afirma que nenhum dos mísseis lançados foi interceptado. Já as Forças Armadas da Síria falam em 110 mísseis disparados contra o país e diz que a "maioria" deles foi interceptada, segundo a CNN.

Estratégia americana
Na manhã deste sábado (14), o Pentágono fez um pronunciamento para explicar a ação coordenada. Nele, a porta-voz Dana White disse que o ataque não muda a estratégia dos Estados Unidos na Síria e que os norte-americanos não querem participar do conflito no país.

"Lançamos o bombardeio para evitar que a Síria use armas químicas no futuro", disse. "Nosso objetivo na Síria continua sendo combater o Estado Islâmico", acrescentou.
O General Kenneth McKenzie afirmou que não há registros de vítimas civis. "Não estamos sabendo de nenhuma casualidade de civis decorrida do ataque até o momento. Depois do ataque, o exército sírio disparou mísseis, que não sabemos onde caíram."

Justificativa
Para justificar a ação desta sexta, Trump chamou o suposto ataque químico em Duma de "massacre" e de "crimes de um monstro". A premiê britânica, Theresa May, classificou o bombardeio como uma "intervenção na guerra na Síria". Já o presidente francês, Emmanuel Macron disse que o ataque está "restrito a capacidades do regime sírio de armas químicas".

Após o bombardeio, a embaixada da Rússia (aliada da Síria) nos EUA declarou no Twitter que "tais ações não serão deixadas sem consequências".

Perspectivas futuras
Ainda no pronunciamento neste sábado (14), Dana White, porta-voz do Departamento de Defesa dos Estados Unidos, sugeriu que o ataque a Síria é pontual e que a intenção de aliados não é participar dos conflitos sírios.

"[O ataque] não muda a estratégia na Síria. Não queremos participar do conflito", disse a porta-voz do Departamento de Defesa dos EUA.
No pronunciamento, o Pentágono divulgou imagens que mostram a estratégia de ataque e o "antes e depois" dos alvos atingidos. 

Nenhum comentário